10 Tribos isoladas do mundo civilizado

Enquanto nós estamos vivendo em um mudo repleto de tecnologia, modernidades e agitação, centenas de tribos isoladas ainda mantém seus costumes milenares em todo o mundo. Longe de qualquer avanço cientifico que conhecemos. A maioria dessas comunidades estão localizadas em áreas densamente florestadas na América do Sul e Nova Guiné.

Os membros dessas tribos, que mantiveram tradições há muito deixadas para trás pelo resto do mundo, fornecem uma riqueza de informações para antropólogos, que buscam entender a maneira como as culturas se desenvolveram ao longo dos séculos. Algumas dessas tribos se recusam ou resistem a qualquer contato com nossa sociedade moderna. Eles são completamente autossuficientes, dependendo da caça e cultivo de culturas para a sobrevivência.

Essas tribos isoladas chamam a nossa atenção por suas tradições bastante diferentes. Veja abaixo 10 tribos que ainda vivem isoladas do mundo moderno:

1 – Tribo sentinela

tribo fotografia

Os Sentineleses são uma tribo com cerca de 250 a 500 pessoas, que vivem na Ilha Sentinela do Norte, entre a Índia e a Tailândia. Eles são um dos povos indígenas de Andamanese e um dos povos mais isolados das Ilhas Andaman. Nós não sabemos muito mais do que isso, porque cada vez que os Sentinelese recebem um visitante, eles o cumprimentam com uma chuva de flechas.

São conhecidos por resistir vigorosamente a tentativas de contato por pessoas de fora. Os Sentineleses mantêm uma sociedade essencialmente caçadora-coletor, subsistindo através da caça, pesca e coleta de plantas silvestres. Não há evidências de práticas agrícolas ou métodos de produção de fogo. Sua linguagem permanece não classificada.

Estima-se que eles tenham vivido em sua ilha por 60.000 anos. Sua língua é marcadamente diferente até de outras línguas nos Andamans, o que sugere que eles permaneceram isolados por milhares de anos. Eles são considerados as pessoas mais isoladas do mundo

2 –  Tribo Nukak Maku

indios amazonia

Com uma população de aproximadamente 450 a 550 membros, o povo Nukak é nativo da República da Colômbia. Eles vivem entre os rios Guaviare e Inirida dentro da floresta tropical no sudeste da Colômbia. No entanto, eles estão sempre em movimento, nunca se instalando no mesmo lugar por muito tempo. Eles são grandes caçadores e usam dardos envenenados com um veneno feito de plantas.

A tribo esforçou-se para ficar longe de todo contato até o ano de 1988, quando vários deles visitaram uma cidade chamada Calamar. As consequências do contato se revelaram catastróficas, pois trouxeram para as tribos doenças como a malária e o sarampo, que causaram a morte de 50% delas. A tribo está atualmente em risco de extinção depois que eles foram expulsos de seu território devido à invasão de suas terras.

3 – Tribo Huaorani

indias da amazonia brasileira

A tribo Huaorani é uma tribo localizada na região amazônica do Equador. A primeira descoberta dessa tribo aconteceu no final da década de 1940, pelos funcionários da companhia petrolífera ‘Shell’ na floresta amazônica. Os visitantes que não eram bem-vindos, rapidamente abandonaram a área, após serem expulsos pela tribo que foi descrita como sendo muito violenta.

O segundo contato com a tribo isolada foi de cinco missionários no ano de 1956. Infelizmente os cinco foram brutalmente atacados e mortos pela tribo Huaorani. A irmã de um dos missionários que foram mortos, foi capaz de se comunicar com eles depois de aprender sua língua e, esse foi um contato pacifico.

A tribo Huaorani tem sua língua, chamada Wuao, que não está relacionada a nenhuma outra língua falada. Para se alimentar, eles dependem principalmente da caça e da pesca. Embora muitos membros da tribo Huaorani tenham se mudado para cidades de fronteira, e falem espanhol, há um grande número deles que resistem a qualquer contato com nossa sociedade moderna.

4 – Tribo Surma

aldeia indígena

Uma das tribos isoladas da Etiópia é a tribo Surma. Sua população é estimada em cerca de 186.000 indivíduos. Os membros da tribo que são chamados de povo Mursi, e uma de suas características mais conhecidas são os discos labiais. A princípio eles usavam os discos labiais para se desfigurarem, para que os traficantes de escravos árabes não os escravizassem.

Ao longo dos anos os discos labiais tornaram-se mais uma tradição e um sinal de beleza, razão pela qual permaneceu em sua cultura até hoje. As mulheres têm seus dentes inferiores removidos na idade da puberdade, e depois de terem seus lábios perfurados, eles o esticam cada vez mais até atingirem o tamanho desejado. Algumas das mulheres usam discos com o tamanho do diâmetro de até 30 cm. Além disso, eles fazem escarificação do corpo. Os homens também cicatrizam seus corpos depois de matar um inimigo, como um símbolo para mostrar o seu orgulho.

Os jovens guerreiros da tribo passam boa parte do tempo longe de casa com seus rebanhos. Durante esse tempo, eles comem uma mistura de leite e sangue de vaca. Todo indivíduo do sexo masculino é julgado pelo número de gado que possui, e são capazes de arriscar suas vidas para proteger seu rebanho. Eles não podem se casar até que tenham pelo menos 60 vacas, que são dadas à família da mulher após o casamento.

Leia também:

>> 10 coisas proibidas na Coreia do Norte
>> A Terra está se afastando do Sol

5 – Tribo Mashco-Piro

uma tribo indigena brasileira

Mashco-Piro é uma tribo indígena de caçadores e coletores nômades, que habitam regiões remotas da floresta amazônica. Eles moram no Manu Park, na região de Madre de Dios, no Peru. No passado eles evitaram ativamente o contato com os povos não nativos.

Não se sabe muito a respeito dessa tribo, uma vez que eles preferem manter distância de qualquer contato. Eles deixam sinais claros pela floresta que preferem ficar isolados, e nas poucas vezes em que foram avistados se mostraram agressivos. A grande ameaça à existência desse povo é o desmatamento feito por madeireiras.

6 – O índio do buraco

homem que vivem em buraco na amazonia

Há um índio que atualmente vive em isolamento na floresta tropical brasileira. Ele está lá há pelo menos 23 anos e constrói suas próprias cabanas de palmeiras, cava buracos de um metro de profundidade. Não sabemos para que ele os usa, porque essas cabanas são abandonadas assim que alguém chega perto delas. Nenhuma outra pessoa na área constrói cabanas como esta. Ninguém sabe que língua ele fala ou o nome de sua antiga tribo.

A FUNAI vem monitorando esse índio desde 1996, e acredita-se que ele possa ser o sobrevivente de uma tribo que foi morta em 1995 após um ataque. A tribo nunca recebeu um nome, e ninguém sabe que língua eles falavam. A FUNAI publicou um vídeo em 2018 onde mostra o “índio do buraco” cortando uma arvore.

7 – Tribo Yanomami

tribos isoladas na india

Os povos Yanomami são indígenas que vivem na floresta amazônica entre a Venezuela e o Brasil. São conhecidos por suas excelentes habilidades de caça e pesca. As mulheres da tribo cuidam do cultivo e os homens fazem o trabalho pesado. A maioria deles vive nas profundezas da floresta, enquanto outros vivem ao lado dos rios.

Por permanecerem isolados por muito tempo, conseguiram manter sua identidade, ao contrário de outras tribos na Amazônia. Eles não tiveram nenhum contato com o mundo exterior até 1980. Depois da descoberta de ouro na terra Yanomami, mineiros invadiram a área ilegalmente, trazendo doenças e massacres à tribo.

8 – Tribo Batak

tribos indigenas que nunca tiveram contato com o homem

A tribo está localizada no Nordeste da província de Palawan, nas Filipinas. Dos 70 povos indígenas, há apenas 200 Bataks restantes hoje. Uma pesquisa mostra que eles estabeleceram sua colônia há milhares de anos, e que tinham contato comercial com os comerciantes chineses no início de 500 dC.

Acredita-se que esse povo possa ser originário dos primeiros grupos de Humanos surgidos, e que tenham chegado nessa região há cerca de 50.000 anos. Atualmente essa tribo sofre com a alta taxa de mortalidade infantil, além do baixo número de natalidade. Por várias gerações eles vivem da pesca e do cultivo de arroz e tubérculos.

9 – Tribo Akuntsu

tribos indigenas selvagens canibais

Eles estão localizados na Floresta Amazônica, no Estado de Rondônia e são apenas 5 membros no grupo. Considerados pelo governo brasileiro como uma tribo isolada, sua língua é Akuntsu, que não é compreendida por quem não é do grupo, pertencem à família Tupari. O contato oficial feito pela FUNAI aconteceu em 1995.

Eles vivem em malocas próximas umas das outras, as margens do igarapé. Os Akuntsu vivem em uma área que antes pertencia a reserva de uma fazenda, que foi interditada nos anos de 1980. Estudos feitos pela FUNAI apontam que esse grupo já contou com mais membros, mas, assim como outros grupos indígenas brasileiros, sofreram massacres em conflitos com os brancos.

O medo de um novo contato com o Homem branco, é algo que os Akuntsu têm até os dias de hoje. Isso se deve ao passado de lutas travadas entre a tribo e o home civilizado. Prova disso são chumbos que se vê em alguns membros do grupo, que sobreviveram a conflitos passados.

10 – Tribo Awá-Guajá

onde os índios vivem

Os Awá-Guajá vivem no Estado do Maranhão e são um dos últimos povos nômades existentes no Brasil. Um grupo em extinção, com população de aproximadamente 350 e 100 membros que sobrevivem da caça. Segundo a FUNAI, O direito de permanência dos índios nessa região é reconhecido pelo Estado brasileiro desde 1961, época em que foi criada a Reserva Florestal Gurupi.

Nos anos de 1970, foram descobertos grandes depósitos de minérios de ferro na área ocupada pelos Awá-Guajá. Fato esse que levou a uma corrida pela extração do minério e da construção de uma ferrovia. O acontecimento fez com que esse povo visse suas terras sendo invadidas. Atualmente a indústria madeireira de da pecuária ameaçam as terras desse povo, com a invasão e o desmatamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *