Como as manchas solares podem interferir em nossas vidas aqui na terra?

As manchas solares formadas na superfície do sol podem afetar nossas vidas aqui na terra. Estudar e entender esses fenômenos é de fundamental importância para os seres humanos. As manchas solares são formadas devido a fortes campos magnéticos, que saem de dentro da estrela, chegando até a superfície como pontos escuros em comparação ao seu redor.

Tais manchas podem ser maiores que o nosso planeta e, são escuras porque são áreas mais frias que o restante da superfície solar. Uma grande mancha solar pode ter uma temperatura de 3.700° C, isso pode parecer muito quente, mas não tão quente quanto a sua superfície do sol de 5.778° C.

 

A primeira vez que foram vistas

manchas solares astronomia

Não é de hoje que as manchas solares são conhecidas pelo homem. Há relatos que cientistas chineses observaram partes escuras no sol, no ano 28 antes de Cristo. Por falta de equipamentos adequados nessa época, eles não conseguiram estudar esse fenômeno, tendo eles observado tais manchas a olho nu.

Posteriormente na idade média, com a invenção do telescópio, foi possível para os astrônomos estudar mais de perto as manchas solares. No entanto, apenas no século XX, a ciência pode desenvolver uma tecnologia boa o suficiente para entender o comportamento desses eventos.

 

Ciclo das manchas solares

O ciclo de manchas solares são mudanças que acontecem quase que periodicamente, em intervalos de 11 anos na atividade do sol. O aumento no número de manchas solares é conhecido como máximo solar, enquanto que um número mais baixo é conhecido por mínimo solar.

Portanto, a atividade do sol está ligada ao máximo ou ao mínimo solar. Em períodos de máximo solar, os números de manhas são maiores, significando que as explosões acontecem com mais frequências e, tais explosões são conhecidas como erupções solares.

 

Efeitos das manchas solares no clima da Terra

ciclo solar

As consequências para o clima do nosso planeta causado pelos ciclos solar já são conhecidas. No período de 1645 a 1715 o sol entrou em um período de mínimo solar, conhecido como mínimo de Maunder. Aqueles que acompanharam nossa estrela, relataram que o número de manchas diminuiu. E em um período de 30 anos foram contadas apenas 30 manchas, um número bem inferior ao que é tipicamente observado.

O mínimo solar ocorrido a partir de 1645, fez com que o nosso planeta enfrentasse um período de resfriamento. Boa parte do continente europeu enfrentou rigorosos invernos e, foi relatado nessa época que o rio Tâmisa, na Inglaterra congelou. Isso é conhecido também como mini era glacial.

O clima no nosso planeta tende a diminuir exatamente pela baixa atividade do sol. Nisso, as explosões e a consequente emissão de radiação e calor diminuem, fazendo as temperaturas do planeta Terra baixar.

Em um estudo recente, pesquisadores observaram que o sol passará por um mínimo solar a partir do ano de 2030. Segundo as observações, esse mínimo será muito semelhante ao ocorrido em 1645. Por consequência, muito provavelmente o nosso planeta poderá enfrentar outra mini era glacial em breve.

Apesar das observações mostrarem uma relação entre o mínimo solar e uma mini era glacial em 16545, ainda não está claro a relação de um mínimo solar e as temperaturas do nosso planeta. Outros fatores também são importantes para a temperatura da Terra, como a atividade vulcânica e a emissão de gases do efeito estufa.

 

 Confira mais sobre a mini era glacial em 2030 aqui.

 

Efeito das manchas solares na comunicação

manchas solares e aneis de crescimento

As manchas estão associadas as explosões ocorridas em nossa estrela, por consequência disso há uma liberação muito grande de radiação. Esta radiação pode ser vista a olho nu aqui da Terra, são as auroras boreais. O problema aqui é a quantidade de radiação que chega ao nosso planeta.

Quanto mais manchas solares, mais explosões acorrerão, consequentemente mais radiação chegará até nós. Isso afeta o campo magnético do nosso planeta, que é o responsável por impedir a entrada de partículas carregadas em nosso planeta. Mas, com uma quantidade alta de radiação chegando, o campo magnético pode não impedir isso por completo. Por consequência, temos uma série de efeitos negativos em aparelhos de radiocomunicação, eletrônicos e até na distribuição de energia elétrica.

 

Como observar as manchas solares

Atenção! Nunca olhe diretamente para o sol sem proteções adequadas para isso.

Como foi dito anteriormente, os chineses observaram esse fenômeno a olho nu. Mas não é nada recomendado fazer isso, afinal você pode ter sérios problemas na visão. Para observar as manchas solares a olho nu, temos alguns recursos básicos encontrados facilmente por aí.

Uma boa opção seria usar aquelas mascaras de proteção que são utilizadas por soldadores (essa da imagem abaixo).

manchas solares pdf

Ela tem um vidro de proteção (escolha a número 14) que protege a visão contra o brilho gerado no momento da solda.

Mas, vamos deixar bem claro que sem o uso de um telescópio, você não verá essas manchas tão bem. Sendo assim, caso você tenha interesse pelo assunto, o ideal seria comprar um telescópio com as proteções adequadas para observar as manchas solares com mais precisão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *